Fechamento do mercado – 6 de março

Dólar tem 3ª queda consecutiva e fecha a R$ 3,21

O dólar comercial encerrou em queda pelo terceiro dia seguido, recuando 1,16% no pregão à vista, a R$ 3,211 para a venda, após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negar habeas corpus ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e diante da diminuição dos receios no exterior com uma guerra comercial provocada pelos Estados Unidos.

Para os próximos dias, agentes acreditam que o dólar ainda pode refletir a
decisão do STJ e se manter próximo de R$ 3,20, embora o movimento da moeda também dependa do exterior. "Quando Lula foi condenado já houve um ajuste e melhora de ativos em função disso, mas acho que o mercado tende a novamente ter um período um pouco mais positivo com a decisão de hoje (terça, dia 6) e com Lula ainda mais longe da disputa presidencial", acredita o analista da Rio Gestão Bernard Gonin.
 
A moeda americana fechou cotada a R$ 3,209 para a compra. Na venda, fechou a R$ 3,211, oscilando entre a mínima de R$ 3,207 e a máxima de R$ 3,233.

Soja

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam sem demonstrar uma tendência clara de preços. Em dia volátil, as primeiras posições dos contratos futuros (ou seja, com vencimento mais próximo) foram pressionadas por um movimento de correção técnica. As mais distantes seguiram sustentadas pelo clima seco na Argentina. 
 
Os agentes começam a posicionar suas carteiras, aguardando o relatório de março do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que será divulgado na quinta, dia 8.
 
No cinturão produtor da Argentina, há previsão de chuvas esparsas e de pequeno volume. Ainda assim, o clima seco segue sendo motivo de preocupação. A estiagem poderá prejudicar ainda mais o potencial produtivo da safra argentina.
 
Brasil
 
O mercado brasileiro de soja teve um dia de poucos negócios e de preços oscilando regionalmente. Há presença de compradores, mas o produtor se retraiu, diante da volatilidade de Chicago e da queda do dólar.

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Soja no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Café

O mercado brasileiro de café teve uma terça-feira de preços estáveis. Ele seguiu o compasso da Bolsa de Nova York, onde o fechamento teve poucas alterações. O dia foi novamente travado na comercialização, com negócios envolvendo pequenos volumes e com os compradores precificando no país.

Nova York

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações da terça-feira com preços ligeiramente mais altos. A sessão foi volátil e o mercado chegou a ter bons ganhos, ante a fraqueza do dólar contra o real e preocupações com a safra brasileira. Mas vendas ligadas a fatores técnicos pressionaram o mercado ao final da sessão, enxugando os ganhos.

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – em cents por libra-peso

Fonte: Safras & Mercado

Café no mercado físico – R$ por saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Milho

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Milho no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Ibovespa

O Ibovespa encerrou com queda de 0,43%, aos 85653,02 pontos. O volume negociado foi de R$ 10,973 bilhões.