Fechamento do mercado – 5 de março

Clima seco na Argentina determina 5ª sessão de alta em Chicago

Posição de julho no mercado futuro chegou a US$ 10,85 por bushel; nesta semana, USDA divulga relatório com expectativa de baixa nos estoques finais americanos

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam com preços mais altos nesta segunda-feira, dia 5. O clima permanece seco na Argentina, o que garante a manutenção do mercado, que já está na quinta sessão consecutiva de ganhos. A posição de julho/2018 subiu chegou a US$ 10,85 por bushel.

Após chuvas esparsas e de pequeno volume no final de semana, o cinturão produtor argentino deverá ter mais sete dias de clima seco. Em fase crítica de desenvolvimento das lavouras, o potencial produtivo pode ser ainda mais comprometido pela falta de chuvas.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deverá reduzir a sua estimativa para os estoques finais americanos de soja em 2017/2018, em relatório a ser divulgado nesta quinta-feira, dia 8.

O mercado projeta os estoques de 2017/2018 de 529 milhões de bushels (cerca de 240 milhões de sacas). Em fevereiro, o USDA indicou um total de 430 milhões de bushels (195 milhões de sacas). Na temporada anterior, os estoques ficaram em 302 milhões de bushels (137 milhões de sacas).

Para os estoques mundiais, a previsão para 2017/2018 deve ser cortada de 98,1 milhões de toneladas para 95,5 milhões de toneladas. As atenções deverão se voltar, no entanto, para as projeções de safra da América do Sul.

Devido à prolongada estiagem, a Argentina deverá ter sua projeção
cortada de 54 milhões para 48 milhões de toneladas. Já para a safra
brasileira, o USDA deverá revisar sua projeção para cima, passando de 112 milhões para 114 milhões de toneladas.

Brasil

Os preços da soja no mercado brasileiro oscilaram entre estáveis e mais altos nesta segunda. Houve consultas, mas a volatilidade de Chicago impediu uma maior movimentação. Foram registrados negócios envolvendo 20 mil toneladas em Goiás e o mesmo volume em Minas Gerais.

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Soja no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Milho

Os preços dos contratos para o milho fecharam em alta na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT). O dia foi de volatilidade. No
encerramento da sessão, no entanto, a previsão de clima seco na Argentina garantiu a alta.

Em fase crítica de desenvolvimento das lavouras argentinas, o potencial produtivo pode ser ainda mais comprometido pela falta de chuvas, que deve se estender por, pelo menos, mais uma semana.

Além disso, em seu relatório da próxima quinta-feira, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) deverá reduzir a estimativa para os estoques finais americanos de milho em 2017/2018. O mercado projeta estoques de 2,299 bilhões de bushels (973 milhões de sacas).

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Milho no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Café

O mercado brasileiro de café teve uma segunda-feira de preços estáveis para o arábica e mais baixos para o conilon. O dia foi arrastado na comercialização, com o comportamento de Nova York afastando os vendedores e deixando os compradores ainda mais cautelosos.

Nova York

As operações com café arábica na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) encerraram as operações do dia com preços mais baixos. O mercado recuou em meio a fatores técnicos, testando
novamente a linha de US$ 1,20.

Londres

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres para o café robusta encerrou as operações da segunda-feira com preços levemente mais altos. A sessão foi de ampla volatilidade, com o mercado buscando direcionamento e se descolando ao final do comportamento da ICE Futures US.

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – em cents por libra-peso
Café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) – em US$ por tonelada
Café no mercado físico – R$ por saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Dólar e Ibovespa

O dólar comercial fechou a negociação em queda de 0,06%, cotado a R$ 3,247 para compra e a R$ 3,249 para venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,246 e a máxima de R$ 3,264.

O Ibovespa encerrou em alta de 0,3%, aos 86.022,83 pontos. O volume negociado foi de R$ 10,07 bilhões.