Fechamento do Café – 7 de março

Mercado de café segue na estabilidade

O mercado brasileiro de café teve uma quarta-feira de estabilidade, mais voltado para negociações de cafés médios e fracos de qualidade, com volumes "picados". Os produtores seguem retraídos, mas observou-se que lotes remanescentes da safra passada vão aparecendo um pouco mais para negociação. No entanto, pela
qualidade, não estão saindo muito para a exportação.

Nova York

As operações com café arábica Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) encerraram o dia com preços mais baixos. As cotações
recuaram diante da valorização do dólar contra o real e com a forte
desvalorização do petróleo.
 
A Organização Internacional do Café (OIC) manteve expectativas
de uma queda na produção de café da Colômbia nesta temporada, apesar de aliviar as preocupações entre os produtores a partir de fortes chuvas. A entidade atualizou a previsão da produção colombiana em 2017/2018 (outubro-setembro), indicando-a em 14 milhões de sacas, 4,3% inferior ao ano anterior, ou 630 mil sacas a menos.

Londres

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres para o café robusta encerrou as operações da segunda-feira com preços levemente mais altos. A sessão foi de ampla volatilidade, com o mercado buscando direcionamento e se descolando ao final do comportamento da ICE Futures US.

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – em cents por libra-peso
Café no mercado físico – R$ por saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Dólar e Ibovespa

O dólar comercial fechou a negociação em alta de 1,02%, cotado a R$
3,242 para compra e a R$ 3,244 para venda. Durante o dia, a moeda
norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,221 e a máxima de R$ 3,249.

O Ibovespa encerrou em baixa de 0,2%, aos 85.483,55 pontos. O volume negociado foi de R$ 10,738 bilhões.