Fechamento do mercado – 2 de março

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam com preços predominantemente mais altos. O clima seco na Argentina, prejudicando as lavouras, e a demanda pela soja americana ajudaram a sustentar o mercado.

Mas o dia foi de muita volatilidade, com boa parte dos negociadores buscando corrigir tecnicamente e realizar lucros. Por isso, os preços fecharam longe das máximas do dia. Na semana, o resultado foi positivo, com a posição maio subindo 2,24%.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou novas vendas por parte dos exportadores privados. Foram 198 mil toneladas para a China e 121 mil para destinos não revelados. Além disso, 20 mil toneladas de óleo foram reportadas para destinos desconhecidos.

Brasil

A sexta-feira foi de preços estáveis e de poucos negócios no mercado brasileiro de soja. Chicago teve um dia volátil e o dólar recuou, afastando os negociadores. Cerca de 30 mil toneladas trocaram de mãos no Mato Grosso.

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Soja no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Milho

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou com preços em baixa. O mercado realiza lucros frente aos ganhos acumulados na semana,quando chegou a alcançar a máxima desde agosto em meio à boa demanda para o cereal norte-americano e as preocupações com a estiagem na América do Sul, especialmente na Argentina. O movimento também acompanhou a acentuada queda nas cotações do trigo. Na semana, a posição maio subiu 2,87%.

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Milho no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Café

O mercado brasileiro de café teve uma sexta-feira de preços fracos, diante das perdas do arábica em Nova York, especialmente. O dia foi de movimentação discreta, com os compradores cautelosos e buscando mais cafés de média e mais baixa qualidade.

Nova York

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações da sexta-feira com preços mais baixos. A sessão foi volátil e o mercado acabou no terreno negativo diante de acomodação técnica após duas sessões de ganhos.

À espera de notícias, quando o mercado avança continua com dificuldades de romper resistências. E quando cai se mantém acima da linha de US$ 1,20 a libra-peso.

No balanço da semana, o contrato maio acumulou uma valorização de 1,0%.

Londres

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres para o café robusta encerrou as operações da sexta-feira com preços mais baixos. As cotações caíram no dia diante de fatores técnicos e acompanhando a queda do arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US).

O mercado teve um movimento de realização de lucros após os ganhos acentuados da sessão anterior. No balanço da semana, o robusta em Londres teve estabilidade no contrato maio.

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – em cents por libra-peso
Café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) – em US$ por tonelada
Café no mercado físico – R$ por saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Dólar e Ibovespa

O dólar comercial fechou a negociação em queda de 0,15%, cotado a R$ 3,249 para compra e a R$ 3,2510 para venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,250 e a máxima de R$ 3,268. Na semana, o dólar acumulou alta de 0,27%.

O Ibovespa encerrou em alta de 0,45%, aos 85.761,34 pontos. O volume negociado foi de R$ 10,596 bilhões.