Fechamento do mercado – 09 de fevereiro

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam com preços mais baixos. O mercado foi pressionado pela previsão de chuvas benéficas às lavouras argentinas na próxima semana. A expectativa de exportações menores dos Estados Unidos para esta temporada também influenciou negativamente. As informações são da Agência Safras. Na semana, a posição março para o grão acumulou alta de 0,43%.

Os contratos com vencimento em março fecharam em baixa de 4,75 centavos de dólar, ou -0,48%, cotados a US$ 9,83 por bushel. A posição maio caiu 5,25 centavos de dólar, ou -0,52%, US$ 9,93 1/2 por bushel.

Soja na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Soja no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) para o milho fechou com preços mais baixos. O mercado realizou parte dos lucros registrados na última sessão, refletindo também a forte queda nos preços do petróleo, que está próxima de 4%. Na semana, a posição março acumulou alta de 0,7%.

No relatório de oferta e demanda de fevereiro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, os estoques finais de passagem foram estimados em 2,352 bilhões de bushels em 2017/18, ante os 2,477 bilhões do relatório passado, enquanto o mercado trabalhava com estoques de 2,467 bilhões de
bushels. As exportações foram indicadas em 2,050 bilhões de bushels, acima dos 1,925 bilhão de bushels previstos em janeiro. O uso de milho para a produção de etanol foi mantido em 5,525 bilhões de bushels.

O USDA previu que safra 2017/18 americana deve atingir 14,604 bilhões de bushels, mesmo volume do mês passado. A produtividade média foi mantida em 176,6 bushels por acre. A área a ser plantada foi estimada em 90,2 milhões de acres e a área a ser colhida em 82,7 milhões de acres.

A safra global 2017/18 foi estimada em 1.041,73 milhão de toneladas, ante os 1.044,56 milhão de toneladas apontados em janeiro. Os estoques finais da safra mundial 2017/18 foram projetados em 203,09 milhões de toneladas, abaixo das 206,57 milhões de toneladas apontadas no mês passado e aquém das 204,3
milhões de toneladas previstas pelo mercado.

A safra americana foi mantida em 370,96 milhões de toneladas. A estimativa de safra brasileira foi apontada em 95 milhões de toneladas, sem alterações. A China deverá produzir 215,89 milhões de toneladas, mesmo número indicado em janeiro. A Ucrânia teve sua projeção de safra reduzida de 25 milhões de toneladas para 24,12 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 39 milhões de toneladas, abaixo das 42 milhões de toneladas apontadas no mês passado. A África do Sul teve a safra apontada em 12,5 milhões de toneladas, sem mudanças.

Milho na Bolsa de Chicago (CBOT) – US$ por bushel
Milho no mercado físico – R$/saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Café

A Bolsa de Mercadorias de Nova York (Ice Futures US) para o café arábica encerrou as operações da sexta-feira com preços mais baixos. Segundo traders, a alta do dólar contra o real trouxe pressão sobre as cotações. E o forte tombo do petróleo completou o cenário negativo nos mercados financeiros para o café arábica.

Sentimento de tranquilidade no abastecimento global segue pressionando as cotações, com expectativas crescentes quanto à produção brasileira neste ano de 2018. No balanço da semana, ainda assim, o contrato março acumulou uma alta de 1,2%.

Londres

A Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres para o café robusta encerrou as operações da sexta-feira com preços estáveis. O mercado teve ganhos em parte do dia, dando sinais de dar sequência à alta do dia anterior. Entretanto, perdeu terreno com a baixa do petróleo e valorização do dólar e fechou com cotações inalteradas, buscando acomodação.

No balanço da semana, o contrato março acumulou uma alta de 1,6%.

Café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) – em cents por libra-peso
Café robusta na Bolsa Internacional de Finanças e Futuros de Londres (Liffe) – em US$ por tonelada
Café no mercado físico – R$ por saca de 60 kg

Fonte: Safras & Mercado

Dólar e Ibovespa

O dólar comercial encerrou as negociações em alta de 0,67%, cotado a R$ 3,3012 para compra e a R$ 3,3032 para venda. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,2682 e a máxima de R$ 3,3192. Na semana, a divisa registrou uma elevação de 2,74%.

O Ibovespa encerrou em queda de 0,78%, aos 80.898,70 pontos. O volume negociado foi de R$ 12,351 bilhões.

Fonte: Safras & Mercado